Prepare-se. Lá vem aumento, de novo!

 Prepare-se. Lá vem aumento, de novo!

Caminhão-tanque abastece posto de combustivel. Foto: Agência Brasil/ reprodução

Com o término da isenção de impostos federais sobre o valor do diesel,  na semana passada, uma alta recorde de preços de combustíveis pode ocorrer nos próximos dias

Na semana anterior à isenção, o preço médio do litro do diesel era de R$ 4,196.  Como a redução com os impostos era de R$ 0,30, a ANP, reguladora do setor, prevê que o litro pode ir a R$ 4,50 -alta de 7% em sete dias, o maior aumento histórico do combustível.

Com a alta dos preços nas bombas, o ICMS também deve subir, já que é calculado sobre os preços médios praticados nos estados. Quanto maior o ICMS, mais alto o preço final.

A redução de 2,2% feita pela Petrobras na semana passada, deve ser absorvida pelo aumento do combustível no mercado internacional.

Como esse aumento vai impactar seu bolso

Os aumentos sucessivos da carga tributária comprometerão ainda mais o desempenho do transporte rodoviário de cargas, que responde por mais de 60% da movimentação de bens e produtos no Brasil”, escreveu a CNT, que citou a possibilidade de haver demissões decorrentes da nova alíquota.

Basicamente, os preços para o consumidor final só não aumentarão no caso de produtores ou distribuidores resolverem arcar com o aumento – ou seja, lucrar menos em vez de cobrar mais caro pelos produtos.

Para a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), o acréscimo no valor de combustíveis “terá reflexo em toda a cadeia de abastecimento e irá penalizar todos os setores da sociedade”.

Redação

Diretora de Conteúdo Sonia Nascimento_ Jornalista, pós-graduada em jornalismo com ênfase em direção editorial e Gestão estratégica de mercado, pela ESPM; (MTB-35423)